Algumas práticas de professores têm sido requeridas para promover intencionalmente as habilidades socioemocionais do estudante no contexto escolar. A literatura na área da Psicologia intitula como práticas educativas ou habilidades sociais educativas e precisam ser consideradas dentro de um contexto e avaliadas considerando seus efeitos sobre a relação professor-estudantes e seus efeitos sobre a aprendizagem (Del Prette & Del Prette, 2008; Rosin-Pinola, 2009; Rosin-Pinola & Del Prette, 2014, Rosin-Pinola, Marturano, Elias e Del Prette, 2017).

A formação de práticas de professores requer assessoria e práticas colaborativas

A formação de professores na perspectiva do desenvolvimento socioemocional considera fundamental o desenvolvimento de práticas educativas de professores no contexto escolar que associe essas práticas as habilidades sociais e acadêmicas dos estudantes. Essa formação vai requer assessoria e colaboração de profissionais especialistas na área de habilidades sociais que podem atuar de forma direta, como coensino, e de maneira indireta, como mediadores ou em assessoria colaborativa (Rosin-Pinola, 2009; Rosin-Pinola & Del Prette, 2014, Rosin-Pinola et al, 2017).

Elas são indispensáveis ao papel dos educadores na promoção da aprendizagem e do desenvolvimento socioemocional dos alunos. Nesse sentido, vale conhecer o programa de formação de professores para promover práticas educativas de professores (PHSE) publicado em Rosin-Pinola et al (2017) que contempla essa lacuna da formação de professores que podem se colocar no papel de promotores de desenvolvimento socioemocional no contexto escolar.

Esse programa intitulado PHSE (vem sendo desenvolvido por Andréa Rosin-Pinola desde de 2010) e aplicado em grupos de professores em horário de trabalho docente coletivo na própria escola, com objetivos de ensinar as habilidades:

  • Observar e avaliar as habilidades sociais e emocionais de estudantes;
  • Observar e registrar as próprias habilidades sociais educativas dos professores;
  • Planejar (selecionando e disponibilizando) materiais e conteúdos para ensinar as habilidades sociais e emocionais no currículo escolar;
  • Organizar o ambiente físico e oferecer dicas sobre as atividades;
  • Cultivar afetividade, apoio, bom humor;
  • Mediar interação;
  • Aprovar, valorizar comportamentos;
  • Reprovar, restringir e corrigir comportamentos;
  • Expor, explicar e avaliar de forma interativa;
  • Registrar e avaliar a própria prática educativa do professor.

Os resultados da efetividade do PHSE (Rosin-Pinola et al, 2017) para melhorar o desempenho dos professores sobre suas próprias habilidades sociais educativas foram demonstrados por meio de análises estatísticas que evidenciaram a eficácia do programa. As autoras discutem os potenciais do PHSE como um programa universal a ser oferecido em capacitações de professores em serviço para ampliar o repertório de HSE dos professores favorecendo a promoção de habilidades socioemocionais de estudantes.

Para saber mais acesse:

Rosin-Pinola, A. R., Marturano, E. M.; Elias, L. C & Del Prette, Z.A.P. (2017). Ensinando habilidades sociais educativas para professores no contexto da inclusão escolar. Revista Educação Especial, v. 30, n. 59, p. 737-750, set./dez. 2017. https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/28430

Referências:

Rosin-Pinola, A. R. (2009). Programa de Habilidades Sociais Educativas: Impacto sobre o repertório de professores e de alunos com necessidades educacionais especiais.216 f. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Rosin-Pinola, A. R. & Del Prette, Z.A.P. (2014). Inclusão escolar, formação de professores e assessoria baseada em habilidades sociais educativas. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, 20(3), 341-356.